21 JUL 2024 | ATUALIZADO 13:56
POLÍCIA
04/05/2024 08:42
Atualizado
04/05/2024 08:44

Justiça decreta preventiva de Tatu e Martelo por roubos e furtos durante a fuga

A+   A-  
Os mandados foram cumpridos contra Deibson Cabral Nascimento, vulgo Tatu, de 33 anos, e Rogério da Silva Mendonça, vulgo Martelo, de 35 anos, na Penitenciária Federal de Mossoró, nesta sexta-feira (03), pelos policiais civis da Delegacia Especializada em Furtos e Roubos de Mossoró - DEFUR. Tatu e Martelo haviam fugido do Sistema Penitenciário Federal no dia 14 de fevereiro de 2024 e só foram recapturados 51 dias depois, já no município de Marabá, no Pará.
Imagem 1 -  Os mandados foram cumpridos contra Deibson Cabral Nascimento, vulgo Tatu, de 33 anos, e Rogério da Silva Mendonça, vulgo Martelo, de 35 anos, na Penitenciária Federal de Mossoró, nesta sexta-feira (03), pelos policiais civis da Delegacia Especializada em Furtos e Roubos de Mossoró - DEFUR. Tatu e Martelo haviam fugido do Sistema Penitenciário Federal no dia 14 de fevereiro de 2024 e só foram recapturados 51 dias depois, já no município de Marabá, no Pará.
Os mandados foram cumpridos contra Deibson Cabral Nascimento, vulgo Tatu, de 33 anos, e Rogério da Silva Mendonça, vulgo Martelo, de 35 anos, na Penitenciária Federal de Mossoró, nesta sexta-feira (03), pelos policiais civis da Delegacia Especializada em Furtos e Roubos de Mossoró - DEFUR. Tatu e Martelo haviam fugido do Sistema Penitenciário Federal no dia 14 de fevereiro de 2024 e só foram recapturados 51 dias depois, já no município de Marabá, no Pará.
reprodução

A Justiça do Rio Grande do Norte decretou prisão preventiva de Deibson Cabral Nascimento, vulgo Tatu, de 33 anos, e Rogério da Silva Mendonça, vulgo Martelo, de 35 anos.

Os mandados foram cumpridos na Penitenciária Federal de Mossoró, nesta sexta-feira (03), pelos policiais civis da Delegacia Especializada em Furtos e Roubos de Mossoró- DEFUR.

Tatu e Martelo haviam fugido do Sistema Penitenciário Federal no dia 14 de fevereiro de 2024 e só foram recapturados 51 dias depois, já no município de Marabá, no Pará.

No RN, os primeiros 4 dias de fuga de Tatu e Martelo foram se escondendo nas comunidades que compreende entre a Serra Mossoró, Riacho Grande e a área urbana de Mossoró.

O Ministério da Justiça formou uma força tarefa com mais de 300 policiais federais e reforços estaduais com vários helicópteros, drones, cães farejadores e dezenas de viaturas.

Nesta região da Serra Mossoró, os dois invadiram duas residências. Na primeira, no Rancho da Caça, levaram comida e roupas. Neste local, a casa foi invadida forçando a porta.

Na segunda casa, no Riacho Grande, mediante ameaças ao casal proprietário da casa, Tatu e Martelo levaram mais comida, roupas e também aparelhos de celulares.

Além dos furtos e dos roubos, os dois espalharam terror por onde passavam. Os furtos e os roubos foram investigados minuciosamente pela PF e também a Defur de Mossoró.

Apesar do cerco gigantesco e com policiais usando alta tecnologia, os dois fugiram desta região para se refugiar numa casa na comunidade de Três Varedas, em Baraúna-RN.

A Polícia Federal terminou descobrindo este esconderijo as pessoas que estavam ajudando Tatu e Martelo e passou a realizar prisões, não só no Rio Grande do Norte, como no Ceará.

De Três Varedas, quando a PF descobriu o esconderijo, os dois fugiram na direção da Reserva Nacional da Furna Feia, região que ficaram escondidos no mato por cerca de 30 dias.

Depois conseguiram mais apoio e chegaram a Icapuí-CE, entraram num barco e alcançaram o Estado do Pará, onde Tatu e Martelo foram recapturados no dia 4 de abril de 2024.

De volta para Mossoró, os dois foram enquadrados pela Polícia Federal por vários crimes e também por roubos e furtos pela Polícia Civil do Rio Grande do Norte.

Indiciados por roubos e furtos, a Justiça do Rio Grande do Norte decretou a prisão preventiva dos dois presos e está diligência foi cumprida nesta sexta-feira, dia 3, no Penitenciária Federal.

Tatu e Martelo, que são do Estado do Acre-AC, continuam recolhidos na Penitenciária Federal de Mossoró. Juntos, os dois tem cerca de 150 anos de prisão à cumpri.


Notas

Relativa

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário