04 MAR 2021 | ATUALIZADO 08:44
POLÍTICA
Da redação
10/01/2016 13:38
Atualizado
14/12/2018 09:31

?Se não houver união a situação ficará insustentável?, afirma vereadora Izabel

A+   A-  
Eleita a vereadora do ano de 2015, Izabel Montenegro falou sobre o trabalho legislativo, questões da política mossoroense, futuro do PMDB local e das expectativas para as eleições de 2016
Imagem 1 -  ?Se não houver união a situação ficará insustentável?, afirma vereadora Izabel
Arquivo Pessoal

A vereadora Izabel Montenegro (PMDB), que foi eleita a parlamentar do ano de 2015 em Mossoró, tem se destacado na Câmara Municipal por sua postura firme, e também por ser uma das edis mais atuantes em defesa do prefeito Francisco José Júnior.

A peemedebista, que tem levantado bandeiras em diversas áreas, foi uma das peças chaves para a instalação da empresa A&C em Mossoró, que hoje gera mais de 3.200 empregos diretos no segmento de Call Center.

Como presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Contabilidade, a vereadora atuou diretamente na elaboração da Lei Orçamentária Anual (LOA), apresentando 34 emendas. A edil também utilizou o plenário da Câmara Municipal para cobrar do governo estadual os repasses devidos à Prefeitura de Mossoró na área de saúde.

Ao MOSSORÓ HOJE, Izabel falou sobre o trabalho legislativo, questões da política mossoroense, futuro do PMDB local, das expectativas para 2016 e sobre o seu próprio futuro político.

Confira na íntegra a entrevista ao portal:

MOSSORÓ HOJE: Em 2015, tivemos vários embates entre os vereadores na Câmara Municipal. Entramos em um ano eleitoral, como a senhora espera que seja a postura da Câmara de vereadores?

IZABEL MONTENEGRO: Espero que seja acima de tudo de compromisso com o mandato, com a população, para tentar resolver os grandes gargalos da cidade, ajudar na gestão, ajudar o prefeito. Independente de qualquer posição política os vereadores têm a obrigação de buscar soluções para os problemas que afligem a nossa cidade. Sabemos que essa crise é nacional e não adianta ficarmos em constante cabo de guerra, não adianta ficar no "quanto pior, melhor", porque só quem perde é a população. A população precisa também entender isso, ver que aquelas pessoas que querem só acusar, sem apresentar soluções, estão apenas buscando projeções políticas. Esse é o momento de união e muita responsabilidade com nosso mandato.

MH: A senhora acha que os interesses políticos nesse ano eleitoral poderão prejudicar a gestão municipal? De que forma seria esse prejuízo e como resolver isso?

IM: Poderão sim. Se o espírito público que deve ser inerente ao político não prevalecer. O prejuízo seria os vereadores tomarem decisões pensando no seu projeto de reeleição e não no bem da coletividade. A solução depende da consciência de cada um, em um momento de dificuldades por que passa todos os municípios brasileiros, se não houver união por parte de todos a situação ficará insustentável. Não podemos atender os desejos de quem quer ser eleito, meu compromisso é com o povo. Temos que ter o compromisso com o povo a quem eu represento.

MH: A senhora é filiada ao PMDB, que tem como presidente o ministro Henrique Alves. Alguns meios de comunicação dão conta de uma possível aliança do partido, indicando a ex-prefeita Fafá Rosado como candidata à vice-prefeita, ao lado da ex-governador Rosalba. Como a senhora recebeu essas informações?

IM: Nesse período, o exercício de futurologia política flui muito, mais acho estranho um partido do potencial do PMDB se entregar a qualquer aliança, seja com qual grupo for, sem antes conversar com seus vereadores, sem analisar a possibilidade até de uma candidatura própria, enfim sem se valorizar.

MH:
A senhora é uma das detentoras de mandato do PMDB local. Se a senhora fosse procurada pelo partido, qual o caminho que o PMDB deveria seguir em 2016?

IM: Acho que o caminho seria ao lado de quem oferecesse maior apoio a chapa proporcional e um espaço melhor na futura gestão para que o partido possa realizar um bom trabalho a favor de Mossoró. Até hoje, mesmo como aliados de algumas gestões, contribuindo sobremaneira com os mandatos de Henrique e Garibaldi, não houve reciprocidade de tratamento.

MH: Como caminhará a vereadora Izabel em 2016?

IM: Espero continuar ajudando a população de Mossoró, contribuindo com as minhas opiniões e decisões para melhorar a qualidade de vida da nossa população. Tenho uma história dentro do PMDB, não de poucos dias, meses e anos mais de décadas, do PMDB dos Alves. Em política tudo é possível, mais tenho meus princípios e de uma coisa não abro mão: sempre estarei ao lado de Mossoró, jamais utilizarei a máxima do quanto pior melhor, isso é pra político carreirista! Espero e torço para continuar no partido do meu coração que é o PMDB. Na Câmara sempre serei ética e responsável.

MH: Quais os planos políticos da vereadora Izabel Montenegro em 2016? Segue buscando a reeleição ou pode almejar voos mais altos?

IM:
Eu gosto de ser vereadora, poderia um dia sonhar em ser Deputada Estadual, mais sou pé no chão. Não tenho a menor vontade de ser vice de ninguém, acho que é um cargo que mata o político, é apagado. Eu não digo que tenho restrição a nenhum candidato(a), só acho que as pessoas que têm mandato devem ser ouvidas, a não ser que tivéssemos um cabeça de chapa muito bem posicionado nas pesquisas. Entre bater esteira para a majoritária e eleger o maior números de vereadores, acho que a segunda opção fortalece mais o partido. O vice é figura decorativa. Secretários indicados pelo partido, são limitados e empregados do prefeito a quem passam a considerar líder. Esse filme eu já assisti!

Notas

Posto JP Fevereiro de 2021

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário