11 NOV 2019 | ATUALIZADO 18:49
POLÍTICA

Discordo do colega Bruno Barreto: Rosalba não se apequenou!

Para se apequenar, Rosalba precisava ter sido um dia grande e isto ela nunca foi. Suas gestões do passado foram bem avaliadas pela mídia bem paga. Boas gestões ela teria feito se tivesse usado a riqueza da época para preparar Mossoró para o pós Petrobras
CEZAR ALVES, DA REDAÇÃO
05/01/2019 11:32
Atualizado
05/01/2019 11:45
A+   A-  
Imagem 1 -  Rosalba não se apequenou quando não conversou com os estagiários; Estava apenas sendo rasteira, como foi quando demitiu quase mil na sua segunda gestão
Rosalba não se apequenou quando não conversou com os estagiários; Estava apenas sendo rasteira, como foi quando demitiu quase mil na sua segunda gestão

O nobre amigo jornalista Bruno Barreto (indico leitura diária do Blog do Barreto) destacou esta semana que a prefeita Rosalba Ciarlini se apequenou na crise com os estagiários.

Discordo do companheiro. Conforme destacou o jornalista, que também pode ser ouvido nas ondas da FM 95, realmente Rosalba Ciarlini fez gestões bem avaliadas no passado.

Observe que estou citando gestões bem avaliadas e não boas gestões.

Naquela época, Rosalba administrou com muito dinheiro nos cofres da Prefeitura e a Petrobras injetava milhões e mais milhões na economia regional.

É fácil governar com muito dinheiro nas contas da Prefeitura. Era o caso. Agora explico a minha citação de que Rosalba fez no passado gestões bem avaliadas e não boas gestões.

Rosalba saiu bem avaliada pela mídia muito bem remunerada. Se Rosalba tivesse feito boas gestões no passado, Mossoró hoje estaria preparada para viver sem a Petrobras.

Boas gestões como prefeita Rosalba teria feito se tivesse preparado Mossoró para quando a Petrobras concluísse sua atuação na região. Isto ela e suas sucessoras não fizeram.

Portanto, nobre amigo Bruno Barreto, Rosalba não se apequenou na crise com os estagiários. Na verdade, ela nunca foi grande. E isto ficou claro quando governadora do RN.

Grande é o gestor que governa preparando seu estado para o futuro, a exemplo do que fez o ex-governador Cortez Pereira, que dispensa aqui citar os exemplos de seus atos.

Enquanto governadora do RN, Rosalba Ciarlini, que já não era grande, ficou ao nível do solo, rasteira, quando não priorizou investimentos na saúde, na educação e na segurança.

Concluiu sua gestão em 2014 com o pior índice de educação do País. Foi na gestão de Rosalba que surgiu a facção Sindicato do RN em função do descaso com Sistema Prisional.

Na saúde, a sujeira que foi feito no Hospital Regional Tarcísio Maia reflete bem o que ela fez no contexto geral no RN: um desastre com muitas mortes no interior e na capital.

Ah, Cezar Alves, mas Rosalba Ciarlini foi eleita novamente prefeita de Mossoró em 2016 e isto mostra que ela tem capital político. O fato é que esta eleição precisa ser melhor avaliada.

Rosalba Ciarlini foi eleita dizendo que a Prefeitura de Mossoró tinha dinheiro e que o problema era de gestão do então prefeito Francisco José Junior, o quem direcionava fortes ataques.

A então ex-governadora ignorava que a crise nacional e a retração da Petrobras haviam derrubado a arrecadação de Mossoró de R$ 650 milhões para R$ 480 milhões.

Rosalba foi eleita fazendo uma campanha política rasteira, soltando inverdades através da mídia aliada, aquela mesma que a classificou como bem avaliada nas gestões passadas.

Ao assumir a Prefeitura de Mossoró, num primeiro ato, Rosalba fechou serviços de saúde importantes, como a Ortopedia da UPA do BH e reduziu os médicos das UPAs.

Fez isto porque se tratava de medidas administrativas adotadas pela gestão do ex-prefeito Francisco José Junior. Isto é bem menos do que pequenez. É gestão rasteira.

Rosalba passou 14 meses sem fazer manutenção nas praças do Centro, suspendeu as cirurgias eletivas por 9 meses (agora e novo), abandonou a zona rural, não pagou os terceirizados, etc.

Ao mandar demitir os 600 estagiários de uma só canetada no dia 21 de dezembro e comprar passagens para visitar familiares no exterior, Rosalba Ciarlini apenas repediu seu ato de covardia quando, em sua segunda gestão de prefeita, demitiu mais de 908 servidores.

Nunca dialogou com quem quer que seja. Prefere a política rasteira.


Notas

Compra Notebook

Publicidades

Eleições 2020 MOSSORÓ

Outras Notícias

Deixe seu comentário