23 JUL 2019 | ATUALIZADO 09:01
ECONOMIA

Economia não reage no Governo Bolsonaro e registra retração de 0,4% em fevereiro

Em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual, o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, ressalta que, no geral, a recuperação econômica ainda está muito aquém do projetado para o período e assim deve continuar diante da gestão de Jair Bolsonaro
DA REDAÇÃO
18/04/2019 16:11
Atualizado
18/04/2019 16:15
A+   A-  
Economia não reage e registra retração de 0,4% em fevereiro
A economia brasileira sofreu uma queda no mês de fevereiro, de acordo com Monitor PIB (Produto Interno Bruto), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que apontou uma retração, neste segundo mês do ano de -0,4%, ante 0,3% registrado em janeiro pela série mensal sobre o PIB do país
Arquivo

A economia brasileira sofreu uma queda no mês de fevereiro, de acordo com Monitor PIB (Produto Interno Bruto), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que apontou uma retração, neste segundo mês do ano de -0,4%, ante 0,3% registrado em janeiro pela série mensal sobre o PIB do país.

Em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual, o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, ressalta que, no geral, a recuperação econômica ainda está muito aquém do projetado para o período e assim deve continuar diante da gestão de Jair Bolsonaro.

"A política econômica do governo não indica iniciativas no sentido de animar e ativar o processo produtivo, e nós temos um travamento estrutural na economia, que patina, anda de lado e, talvez, 2019 seja mais um ano de baixo crescimento", avalia Clemente ao descrever o cenário brasileiro, com desemprego elevado e baixas no investimento e no poder de consumo das famílias brasileiras.

Nesta semana, uma pesquisa da consultoria Kantar e o índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central (BC) mostraram também resultados negativos nos primeiros meses do governo Bolsonaro. "É provável que a sucessão de ajustes, cortes, arrochos na Previdência, tudo isso só desanime a capacidade da economia de sustentar o crescimento", adverte o analista sobre agenda ultraliberal da gestão Bolsonaro.


Notas

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário