13 NOV 2019 | ATUALIZADO 20:15
POLÍCIA

Júri absolve mulher acusada de mandar pra matar a mãe em Macaíba

Normalice de Freitas Lourenço, de 41 anos, foi morta a marretadas dentro de casa, no dia 30 de julho de 2015. Taliany Masquiza de Freitas Lourenço, acusada de ser a mandante do crime, foi a júri popular nesta quarta-feira (6).
COM INFORMAÇÕES DO AGORA RN
07/11/2019 09:03
Atualizado
07/11/2019 09:03
A+   A-  
Imagem 1 -
FOTO: REPRODUÇÃO

O Conselho de Sentença do Tribunal do Júri Popular de Macaíba decidiu pela absolvição de Taliany Masquiza de Freitas Lourenço, de 26 anos, da acusação de mandar mandar a mãe, no dia 30 de julho de 2015.

Normalice de Freitas Lourenço, de 41 anos, foi morta a marretadas dentro de casa, pelo pedreiro Geraldo José Amaro do Nascimento.

O júri foi realizado nesta quarta-feira (6), no Fórum Municipal Ministro Tavares de Lyra, em Macaíba.

O pedreiro Geraldo José Amaro do Nascimento, que também foi julgado nesta quarta, foi condenado a 12 anos e 6 meses de prisão em regime fechado.

Segundo a acusação, no dia 30 de julho de 2015, o pedreiro se aproveitou de um momento de distração da vítima e, de posse de uma marreta, desferiu vários golpes, sendo o primeiro na cabeça.

Para concluir o que havia iniciado, passou uma corda no pescoço da vítima e apertou até ter certeza que ela havia morrido.

Quanto à Taliany, os jurados entenderam não haver indícios ou materialidade que comprovassem a culpa dela em ter orquestrado a morte da mãe, e a inocentaram da acusação.

Taliany ficou conhecida na cidade como “A Suzane Richthofen de Macaíba”, em razão da repercussão que o caso levou, semelhante ao da Suzane Von Richthofen, que gerou impacto nacional.

O CRIME

Normalice de Freitas Lourenço foi assassinada a golpes de marreta na noite de 30 de julho de 2015 dentro de uma casa no centro de Macaíba, cidade da região Metropolitana de Natal. Também ficou constatado que ela sofreu estrangulamento.

A casa passava por reformas, e Geraldo trabalhava no local. A dona da casa e o pedreiro teriam discutido. Na época do crime, a polícia informou que Normalice era separada, e morava com a filha, o genro e um neto. Foi a filha quem encontrou o corpo da mãe e chamou a polícia.

O corpo da dona de casa estava dentro de um dos quartos, próximo a uma janela, com as mãos e pés amarrados e enrolado em um lençol.


Notas

Compra Notebook

Publicidades

Eleições 2020 MOSSORÓ

Outras Notícias

Deixe seu comentário