04 AGO 2020 | ATUALIZADO 22:17
NACIONAL
COM INFORMAÇÕES DA REVISTA FÓRUM
06/12/2019 15:58
Atualizado
06/12/2019 16:00

MP retoma investigação do “Caso Queiroz” com foco em Flávio Bolsonaro

A+   A-  
A decisão de retoma a investigação, que estava parada há 4 meses, veio após o STF fixar tese liberando o repasse de dados sigilosos por órgãos como a Unidade de Inteligência Financeira (UIF, antigo Coaf) e a Receita Federal a promotores e procuradores.
Imagem 1 -
FOTO: REPRODUÇÃO

A investigação sobre o esquema de “rachadinha” realizada entre o senador Flávio Bolsonaro e seu ex-assessor Fabrício Queiroz será retomada no Ministério Público do Rio (MP-RJ).

A decisão de retoma a investigação veio após o Supremo Tribunal Federal (STF) fixar tese liberando o repasse de dados sigilosos por órgãos como a Unidade de Inteligência Financeira (UIF, antigo Coaf) e a Receita Federal a promotores e procuradores.

Na quarta-feira (4) o STF aprovou a tese para o compartilhamento, mas com a ressalva de que os dados devem permanecer sob sigilo e só poderão ser repassados por meio de canais formais.

O caso de Flávio Bolsonaro e Queiroz estava parado há 4 meses, desde julho, aguardando a decisão do Supremo.

Veja mais:

“Bolsonaro cria situação ‘dramática’ ao tentar proteger Flávio”, diz ex-procurador

COAF aponta que Flávio Bolsonaro recebeu 48 depósitos em 30 dias

Ex-assessor de Flávio Bolsonaro não comparece no MP para depor sobre R$ 1,2 milhão

"Sou um cara de negócios. Faço dinheiro", diz assessor de Flávio Bolsonaro sobre movimentações

Ministro do STF suspende investigação sobre Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro


A defesa do filho do presidente continua alegando que os dados solicitados pelos promotores ao Coaf configuram uma quebra de sigilo pelos detalhes nos relatórios sem que houvesse uma investigação formal em andamento, e que as informações teriam sido solicitadas por e-mail.

No entanto, o MP-RJ divulgou na quinta-feira (5) um ofício da presidência da UIF, afirmando que os dados pedidos sobre o senador em dezembro do ano passado foram requeridos por meio de um sistema formal.


Notas

AME

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário