30 NOV 2020 | ATUALIZADO 07:33
NACIONAL
DA REDAÇÃO E COM INFORMAÇÕES DO G1
28/10/2020 18:48
Atualizado
28/10/2020 18:49

Após repercussão negativa, Bolsonaro anuncia revogação do decreto sobre privatizar o SUS

A+   A-  
O decreto, do Ministério da Economia , permitia a realização de estudos para a inclusão das Unidades Básicas de Saúde (UBS) dentro do Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República (PPI); O presidente anunciou em uma rede social que o decreto seria revogado.
Imagem 1 -
FOTO: REPRODUÇÃO

Por meio de sua conta no Facebook o presidente Jair Bolsonaro afirmou que revogou, nesta quarta-feira (28), o Decreto 10.530, publicado na edição de ontem do Diário Oficial da União.

O decreto, do Ministério da Economia , permitia a realização de estudos para a inclusão das Unidades Básicas de Saúde (UBS) dentro do Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República (PPI).

Veja mais:

Decreto permite estudos para inclusão de UBSs no programa de privatizações do Governo Federal


A anulação do decreto ainda não foi efetivada, mas a Secretaria-Geral da Presidência da República, informou que acontecerá ainda nesta quarta.

A publicação do decreto causou uma grande repercussão negativa em todas as esferas da sociedade. O ex-ministro da saúde do governo bolsonaro, Henrique Mandetta, foi um dos que se manifestou negativamente.

Ele escreveu em sua conta no Twitter: “Cem mil vidas perdidas. Negacionismo, desprezo à ciência, perda de credibilidade e ausência de liderança. Solidariedade às famílias.Força SUS! Oremos!”.

A especialista em saúde pública Lígia Bahia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), avaliou o decreto como "apressado" e considerou "estranho" o fato de a área da saúde não ter sido ouvida.

"Essa inversão, essa chegada do Ministério da Economia na saúde é uma coisa extremamente preocupante, é um desastre. O ministro Paulo Guedes não entende nada de saúde”, afirmou Bahia.

Já o presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Fernando Pigatto, entendeu o decreto como um caminho para a retirada de direitos da população.

"Precisamos fortalecer o SUS contra qualquer tipo de privatização e retirada de direitos", afirmou o presidente do CNS.

Na postagem em que anunciar a revogação do decreto, Bolsonaro escreveu: "Temos atualmente mais de 4.000 Unidades Básicas de Saúde (UBS) e 168 Unidades de Pronto Atendimento (UPA) inacabadas. Faltam recursos financeiros para conclusão das obras, aquisição de equipamentos e contratação de pessoal".

Segundo ele, o objetivo do decreto era promover o término dessas obras e permitir aos usuários buscar a rede privada com despesas pagas pela União.

SUS

O SUS foi criado em 1988 pela Constituição Federal Brasileira, que determina que é dever do Estado garantir saúde a toda a população brasileira.

Seu início se deu nos anos 70 e 80, quando diversos grupos se engajaram no movimento sanitário, com o objetivo de pensar um sistema público para solucionar os problemas encontrados no atendimento da população defendendo o direito universal à saúde.

Já em 1990, o Congresso Nacional aprovou a Lei Orgânica da Saúde, que detalha o funcionamento do sistema e instituiu os preceitos que seguem até hoje. A partir deste momento, a população brasileira passou a ter direito à saúde universal e gratuita.


Notas

AME

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário