23 SET 2021 | ATUALIZADO 18:14
POLÍCIA
CEZAR ALVES
22/07/2021 14:50
Atualizado
22/07/2021 16:33

Homicida acusado de matar taxista pega 19 anos e 4 meses de prisão

A+   A-  
O homicida Raimundo Cleiton Freire da Silva foi condenado pelo Tribunal do Júri Popular, em reunião realizada no Fórum Municipal de Mossoró, a 19 anos e 4 meses de prisão pelo assassinato e ocultação de cadáver do taxista Antônio Arieudes Márcio Menezes. Julgamento começou às 9 horas e terminou por volta das 14 horas desta quinta-feira, 22.
Imagem 1 -
FOTO: JÚNIOR ALVES/SUPER TV

O homicida Raimundo Cleiton Freire da Silva foi condenado pelo Tribunal do Júri Popular, em reunião realizada no Fórum Municipal de Mossoró, a 19 anos e 4 meses de prisão pelo assassinato e ocultação de cadáver do taxista Antônio Arieudes Márcio Menezes. Julgamento começou às 9 horas e terminou por volta das 14 horas desta quinta-feira, 22.

Antônio Ariudes foi assassinado e seu corpo foi encontrado queimado dentro do veículo que trabalhava numa estrada de barro perto do Partage Shopping, em Mossoró-RN. Este crime ocorreu no dia 30 de abril de 2018. Na época, o réu Raimundo Cleiton era para está preso, cumprindo sentença por um assassinato cometido por ele no ano de 2004.

Veja mais:

Homicida volta ao banco dos réus por matar e queimar taxista em Mossoró.


O julgamento teve início às nove horas com o sorteio dos sete membros do Conselho de Sentença. Em seguida, a promotora de Justiça Érica Canuto Veras pediu a condenação do réu, conforme os termos da denúncia, por homicídio duplamente qualificado. A promotora de Justiça explicou que o réu matou a vítima porque devia a ele e não queria pagar.

A defesa seguiu na tese de negativa de autoria. Ao final dos trabalhos, os jurados entenderam que o réu era culpado.

Diante do que foi votado, o juiz presidente do Tribunal do Júri Popular, Vagnos Kelly, aplicou pena de 19 anos e 4 meses de prisão em regime fechado. A defesa, patrocinada pelo advogado Carlos Firmino, afirmou  que considera a possibilidade de entrar com recurso.

“A defesa avalia que o resultado do julgamento foi contrário à prova dos autos e considera a possibilidade de interpor recurso de apelação com a finalidade de que um novo júri seja realizado. Hoje o conselho de sentença condenou um inocente”, disse o advogado.



Notas

Posto JP - Maio de 2021

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário