18 JAN 2019 | ATUALIZADO 23:51
ECONOMIA

Em Mossoró, Robinson reforça apoio aos empresários de petróleo e gás

Empresários do setor receberam o governador Robinson Faria na primeira reunião de apresentação do Programa para Revitalização da Atividade de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural em Áreas Terrestres (REATE).
Da redação
04/10/2017 10:52
Atualizado
14/12/2018 01:00
A+   A-  
Em Mossoró, Robinson reforça apoio aos empresários de petróleo e gás
Empresários do setor de petróleo e gás do Rio Grande do Norte receberam o governador Robinson Faria na primeira reunião de apresentação do Programa para Revitalização da Atividade de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural em Áreas Terrestres (Reate).

O simpósio foi realizado no hotel Garbos, em Mossoró, na manhã desta quarta-feira (4), e tem como objetivo fomentar a produção em terra das commodities.
 
Atualmente, a produção onshore no Brasil é de 143 mil barris diários de óleo e 26 milhões m3/dia de gás, em 8 estados. Com a proposta do Reate, esse volume pode chegar aos atuais patamares Onshore de Argentina e Equador - algo em torno de 500 mil barris diários.
 
No evento, o chefe do Executivo estadual reafirmou o compromisso com o setor, um dos que mais empregam no estado. “A palavra que trago para cá hoje é de parceria. Acredito que a nossa união será de importância vital para manutenção desburocratizada da exploração do petróleo e gás no estado”, disse Robinson Faria, assumindo o compromisso de marcar uma nova reunião com a cúpula da Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Petrobras para discutir, entre outros, os campos maduros em solo potiguar.
 
REATE
O Reate é um programa do governo federal capitaneado pelo Ministério das Minas e Energia, que pretende triplicar até 2030 a produção de petróleo e gás em terra (onshore).
 
A ideia é diminuir os entraves legais junto a Agência Nacional do Petróleo (ANP) para apoiar também os pequenos produtores. Isso possibilitará a geração de mais de 10 mil novos empregos diretos e indiretos, além de movimentar a economia.

Notas

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário