17 JAN 2019 | ATUALIZADO 18:28
ECONOMIA

“Nosso offshore eólico será o mais competitivo do mundo”, diz Prates

O Rio Grande do Norte, que já produz energia eólica (limpa) mais que o dobro do que seu consumo, tem potencial para aumentar isto em pelo menos 10 vezes, instalando parques eólicos no mar, que é raso e os ventos são fortes
11/01/2019 11:00
Atualizado
11/01/2019 18:14
A+   A-  
“Nosso offshore eólico será o mais competitivo do mundo”, diz senador Prates
Senador Jean-Paul Prates disse: “Nosso offshore eólico será o mais competitivo do mundo”. O Estado, que já produz energia eólica (limpa) mais que o dobro do que consume, tem potencial para aumentar isto em pelo menos 10 vezes, instalando parques eólicos no mar, que é raso e os ventos são fortes

O senador Jean-paul Prates prepara projeto para melhorar o projeto para melhorar a regulação do setor eólico offshore no Brasil. Este projeto, inclusive, já vem sendo trabalhado pela equipe de Prates há pelo menos 2 anos.

O Rio Grande do Norte, que já produz energia eólica (limpa) mais que o dobro do que seu consumo, tem potencial para aumentar isto em pelo menos 10 vezes, instalando parques eólicos no mar, que é raso e os ventos são fortes.

Prates diz não ter dúvidas de que tecnicamente em pouco tempo o Rio Grande do Norte vai se tornar a região mais competitiva do mundo para investimentos no setor de energia eólico offshore, ou seja, situada na costa (mar).

E o senador fala com conhecimento de causa. Acumula enorme experiência neste setor.é advogado e economista, Prates tem atuação na área de energia, petróleo e gás por mais de 30 anos.

Atualmente é senador da república pelo PT do rio Grande do Norte, em substituição a Fátima Bezerra, que agora é governadora do RN.

É mestre em Planejamento Energético e Gestão Ambiental pela Universidade da Pennsylvania e mestre em Economia do Petróleo pelo Instituto Francês do Petróleo. Foi secretário de Energia do Rio Grande do Norte.

Participou da elaboração do marco regulatório para os setores de petróleo e gás do país no final da década de 90 com o fim do monopólio da Petrobras, a abertura do setor e a criação da ANP.

No Rio Grande do Norte, onde passou a residir em Natal, Prates viabilizou investimentos na casa dos R$ 18 bilhões na instalação de parques eólicos e já trabalha há cerca de dois anos para ampliar estes investimentos.

Eólica offshore

O plenário do Senado aprovou em dezembro PLS 484/2017, que cria leilões de energia eólica ou solar offshore no país, realizados pela Agência Nacional de Energia (Aneel) com apoio da ANP.

O senador Jean-Paul Prates pretende apresentar outro projeto para tramitar em conjunto. “O CERNE preside uma Comissão que fez uma análise do mercado de eólicas offshore no Brasil. É um trabalho que já tem uns dois anos”, diz.

E a Petrobras no Rio Grande do Norte já trabalha neste sentido. Prepara a instalação de um projeto piloto na região da Costa do município de Guamaré no mar.

Veja mais

Petrobras desenvolve primeiro projeto piloto de energia eólica offshore do Brasil no RN

Prates diz não ter dúvidas de que, com a regulação correta do mercado de eólicas offshore, o Rio Grande do Norte tecnicamente será a região mais competitiva do mundo para instalação de parques eólicos em mar aberto.

Neste vídeo, gravado em Mossoró durante entrevista a revista especializada EPBR, o senador Jean Paul Prates explica em detalhes o que vai fazer em Brasilia e como o RN vai avançar e muito no setor de produção de energia.


Notas

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário