24 SET 2020 | ATUALIZADO 18:36
POLÍCIA
Josemário Alves
28/02/2015 16:16
Atualizado
14/12/2018 10:18

Líder de seita condenado a 1770 anos de prisão nos EUA é preso no RN

A+   A-  
Natural do Estados Unidos e incluso na lista dos 15 homens mais procurado do mundo, Barnard é acusado de 59 crimes sexuais
Imagem 1 -  Líder de seita condenado a 1770 anos de prisão nos EUA é preso no RN
Divulgação / PF

A Polícia Militar do Rio Grande do Norte prendeu na noite de sexta-feira (27) um americano incluído na lista dos 15 mais procurados do mundo pela Polícia Internacional (Interpol) e a Polícia Federal dos Estados Unidos.

Victor Arden Barnard, de 53 anos, é líder de uma seita religiosa e responde a 59 acusações de crimes sexuais contra crianças e adolescentes.

A prisão aconteceu em um condomínio fechado na praia de Pipa, litoral do Rio Grande do Norte, onde residia há, pelo menos, dois anos.

A Polícia Federal informou que as investigações para localizar Barnard no Brasil tiveram início em abril de 2014, quando foram informados que o americano estaria no Rio Grande do Norte.

Segundo a imprensa americana, Barnard começou a ser investigado em 2012 nos Estados Unidos, quando duas de suas seguidoras o denunciaram. De acordo com as mulheres, o americano abusava-as desde os 12 anos de idade.

Líder de uma seita nominada de “Jesus na carne”, Barnard pregava, em sua terra natal, que era normal fazer sexo com suas seguidoras, uma vez que o próprio “Cristo que tinha relações com Maria Madalena e outras mulheres que o seguiam”.

Em entrevista, o superintendente adjunto da Polícia Federal do Brasil, Paulo Henrique Oliveira Rocha, informou que o americano foi condenado em 2014 a 1.770 anos de prisão pela Justiça dos Estados Unidos.

Paulo Henrique disse ainda que, além de Barnard, uma mulher brasileira, que seria a proprietária da residência em que ele vivia, também foi presa e autuada por favorecimento pessoal, mas responderá em liberdade.

O americano será extraditado aos Estados Unidos, onde cumprirá pena milenar.

(Foto: Divulgação / Interpol)

Notas

AME

Outras Notícias

Deixe seu comentário