05 AGO 2020 | ATUALIZADO 18:40
MUNDO
ANNA PAULA BRITO
18/03/2020 19:21
Atualizado
19/03/2020 09:41

Italiana que morou no Brasil fala sobre preocupação com avanço do coronavírus

A+   A-  
Carlotta Ferraroni vive atualmente em Londres, na Inglaterra. Ela viveu 6 meses em Mossoró durante um intercâmbio e passou mais um mês de férias. Nesse período precisou de atendimentos nas UPAs da cidade e, diante do que está vivenciando na Europa, garante: o Brasil não está preparado para enfrentar o coronavírus se os casos explodirem.
Imagem 1 -  Carlotta Ferraroni vive atualmente em Londres, na Inglaterra. Ela viveu 6 meses em Mossoró durante um intercâmbio e passou mais um mês de férias. Nesse período precisou de atendimentos nas UPAs da cidade e, diante do que está vivenciando na Europa, garante: o Brasil não está preparado para enfrentar o coronavírus se os casos explodirem.
Carlotta Ferraroni vive atualmente em Londres, na Inglaterra. Ela viveu 6 meses em Mossoró durante um intercâmbio e passou mais um mês de férias. Nesse período precisou de atendimentos nas UPAs da cidade e, diante do que está vivenciando na Europa, garante: o Brasil não está preparado para enfrentar o coronavírus se os casos explodirem.
FOTO: REPRODUÇÃO

A pandemia do Covid-19, causada pelo coronavírus, vem causando mortes por todo o mundo. Todos os dias, novos casos estão surgindo e é cada vez mais necessário que a população esteja consciente dos seus deveres para evitar que o caos se instale no sistema de saúde.

Conhecido por ter uma população mais idosa, público de maior risco, a Europa é um dos continentes mais afetados pela doença, tendo como epicentro a Itália, onde foi instituída uma quarentena obrigatória, com isolamento total da população.

Porém outros países também estão enfrentando uma grave crise de saúde, como é o caso da Inglaterra. O MOSSORÓ HOJE conversou com a Carlotta Ferraroni, uma italiana que vive atualmente na capital inglesa, Londres.


Ela contou que no local o governo está tentando se organizar para combater a doença, mas as medidas estão muito lentas. A expectativa na cidade é que todas as coisas fechem até o final de semana, mas nada foi confirmado ainda.

“O bom daqui é que o povo ficou com medo, então não tem muitas pessoas nas ruas ou nas lojas, as lojas mudaram os horários e tem um número limitado de pessoas que podem entrar no mesmo momento, no supermercado, por exemplo”, contou

De acordo com Carlotta, há 2 mil pessoas doentes, mas as previsões do governo é que 55 mil novos casos sejam notificados nas próximas semanas.

“Ninguém tá saindo, todo mundo está pedindo os deliverys em casa, os bens primários o Amazon está mandando e só tá saindo agora mesmo quem precisa trabalhar, mas se o posto de trabalho ficar fechado, não precisa sair”, disse.

Ela explicou que o governo local está tentando transformar outras partes dos hospitais em unidades de terapia intensiva, devido a grave crise no local, contudo, não há médicos e enfermeiros suficientes para atender a demanda.

“Com a terapia intensiva, quando não tiver mais vagas, os médicos vão atender as pessoas que têm mais chances de sobreviver. Quer dizer se eu entrar com meu meu 25 anos, saudável, e o meu pai entrar, com 62 e problemas respiratórios e de coração, meu pai fica para fora, sem ser atendido, nunca, porque não tem espaço. Então a prevenção é muito importante para cuidar das famílias também”.

Carlotta mostrou preocupação com a situação do Brasil, visto que muita gente ainda não está levando a sério a pandemia. Ela viveu 6 meses em Mossoró durante um intercâmbio e também passou mais um mês de férias na cidade.

“Eu fui pro hospital no Brasil várias vezes, nada grave, mas fui, também fui na UPA, e não tem espaço pra isso. Vai ser muito complicado se o pessoal não tomar cuidado. Além disso, quanto antes o pessoal ficar em casa, antes poderemos voltar a normalidade”, falou.

Ela diz que não entende o porquê de as coisas ainda não terem fechado no Brasil, o movido dos barzinhos ainda estarem funcionando.

“Também uma besteira que eu li na internet foi que, com o calor, o vírus vai desaparecer. Não sabemos disso e eu também não confiaria nisso. Então tem que cuidar cuidado e só sair de casa se realmente for pra ajudar pessoas, isso no posto de trabalho, se não, tem que ficar em casa”, reformou Carlotta.


Notas

AME

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário